Clube Latinas: iniciativa valoriza obras de escritoras

Clube Latinas, idealizado pelas historiadoras Thaís Carneiro e Ana Beatriz Mauá levanta a necessidade de darmos mais visibilidade a escritoras latino-americanas e caribenhas

Por que o Clube Latinas surgiu?

Existe uma escrita característica comum nas obras produzidas por escritoras de mulheres? Se sim, quais seriam elas? Nesse clube de leitura, queremos partir de obras produzidas por escritoras latino-americanas e caribenhas para pensar questões mais amplas do contexto social e cultural do continente. E, principalmente, das condições em que foram escritas, das temáticas por elas abordadas e como tais questões ajudam a refletir sobre o momento histórico em que vivemos, sobre as relações com feminismo e questões étnico raciais.

Quem faz o Clube Latinas?

O Clube de Leitura Latinas, mediado pelas historiadoras Thaís Carneiro e Ana Beatriz Mauá, acontece mensalmente, às terças-feiras à noite e a participação é livre. Todo mês, será escolhido um livro de autoria latino-americana e caribenha. Decidiremos as leituras conjuntamente com os/as/es participantes!

Ah, é importante dizer que NÃO é necessário estudar e/ou pesquisar o tema. Apenas ter interesse pela temática e, principalmente, gostar de ler!

Livro de Maio: Eu, Tituba – A bruxa negra de Salém


“Eu, Tituba – Bruxa Negra de Salém”, obra da escritora caribenha Maryse Condé, será nossa primeira leitura. O livro é um prato cheio para quem, assim como eu, é apaixonada/e por literatura e sua relação com a História.

Marysé Condé nos convida a conhecer a história de Tituba, uma mulher negra da Ilha de Barbados que é levada para a Nova Inglaterra. A obra conjuga o esforço de reivindicar a existência e a subjetividade de mulheres que foram excluídas e apagadas pela História.

Nesse caso, a literatura é espaço de reivindicação da palavra por Tituba e de sua resistência enquanto mulher, negra, condenada ao trabalho na condição de escravizada.

Ao conhecer os percursos de Tituba, nós, enquanto leitores, refletimos sobre a violência que permeia as sociedades escravistas: seja a relação entre senhores e trabalhadores escravizados; seja nas práticas de perseguição contra mulheres – e, particularmente, as mulheres negras -, falsamente acusadas de bruxaria pelo tribunal de Salém, em 1692. Vamos ler juntes?  🙂

Informações


Data: 04 de maio de 2021
Horário: 19h às 20h30
Encontro online, via plataforma Google Meet.

Valor: 21, 90 (a assinatura pode ser cancelada a qualquer momento)

Inscrições via Hotmart, clique aqui

Mulheres viajantes

Read Previous

Organização seleciona Especialista de Projetos Favela 3D

Read Next

A Museologia no mundo dos podcasts: “Museológicas”

Deixe uma resposta