ArabicBengaliChinese (Simplified)EnglishFrenchHindiPortugueseRussianSpanishUrdu

Uma nova obra do Aleijadinho descoberta em MG

A equipe de restauração da igreja da região da Mata Mineira encontrou uma obra com todas as características do escultor.

(foto: Leda Bárbara Soares/Divulgação)

Mas de 200 anos após a morte de Antônio Lisboa, o Aleijadinho, restauradores encontraram indícios de uma obra inédita do Mestre Barroco.

A obra foi esquecida na Paróquia de São Manuel, no Rio Pomba, na cidade, a Zona da Mata, a cidade fica a 250 quilômetros de Minas Gerais em Belo Horizonte.

O Rio Pomba foi fundado pelo Padre Manuel de Jesus Maria, escondida em oito camadas de tinta, a peça com a imagem de São Manuel levantou diversas dúvidas sobre a sua autenticidade.

Analisada a peça apresenta: movimentação dos cabelos e mechas atrás da orelha, o drapeado anguloso da veste, a atrofia dos ombros e a posição aberta dos membros inferiores.

O resultado da identificação botânica da madeira possui cedro, feito pelo Instituto de Pesquisas Tecnológicas (IPT) é o mesmo usado pelo artista. 

Os técnicos encontraram oito camadas de tintas diferentes durante o processo de recuperação da imagem. Foto: Divulgação

Dois sócios do ateliê, propriedade de Colombo e do restaurador em Juiz de Fora venceram a licitação para restaurar seis imagens e o altar da igreja em 2019.

Eles fizeram uma série de estudos: bibliográfico, histórico documental, análise estratigráfica, análise formal, um conjunto de dúvidas, “é possível em meados do século 21 encontrarem um novo trabalho desse artista?”

Embora tratem o assunto com cautela, as duas maiores autoridades do artista do país afirmam que é possível encontrar obras novas na igreja dentro de Minas.

Há 128 fotos no total, e três trabalhos não foram divulgados até agora. “A peça de São Manoel precisa de mais pesquisas. Se for declarado patrimônio nacional do Aleijadinho, deve-se pedir o tombamento federal para a obra”.

A Paróquia de São Manoel de Rio Pomba vai ganhar reforço na segurança para exibir o Aleijadinho esquecido. Foto: Divulgação

Fonte: Época Globo

veja também: Livro de Conservação e Restauro da UFPEL online e gratuito

Priscila Poltroniere

Read Previous

Evento Virtual “Arte sem fronteira” – Bienal Black Brazil Art

Read Next

III Semana de Estudos de Museologia da Universidade Federal de Ouro Preto

Deixe uma resposta