ArabicBengaliChinese (Simplified)EnglishFrenchHindiPortugueseRussianSpanishUrdu

Jornada Patrimônio: 06 Tours gratuitos da História Negra SP

A jornada do Patrimônio entrou na sétima edição. A Jornada foi criada pela Secretaria Municipal de Cultura e organizada anualmente pelo Departamento do Patrimônio Histórico.

Tem como objetivo refletir extensivamente sobre os lugares simbólicos em 2021 que apoiaram as ações dos diversos grupos sociais que compõem a história da cidade.

Em um período marcado pela necessidade de manter distância física, a Covid-19 tem tomado difíceis medidas de combate à pandemia, entendendo e refletindo sobre a trajetória de criatividade, construção, luta e resistência de nossos ancestrais, estimulando-nos a perseverar e acreditar na superando o desafio atual.

Nesta versão, principalmente na versão online, o site da Jornada será a editora de conferências de dois dias e eventos diversos, incluindo um mapa interativo da cidade, com acesso a horários por região, tipo de evento, entre outros aspectos.

A jornada deste ano, com o tema “Nosso lugar, nossa história”, homenageia os esforços, o cuidado e o conhecimento científico dos profissionais de saúde que acolhem e ajudam os cidadãos a enfrentar a dramática pandemia em curso, e expande o estado latente.

Igreja de Nossa Senhora do Rosário

Foto de Divulgação: Jornada do Patrimônio

A Igreja de Nossa Senhora do Rosário localizada no Largo do Paissandu é um símbolo cultural, religioso e histórico. Essa é a segunda igreja da irmandade de Nossa Senhora do Rosário dos Homens Pretos finalizada em 1906. A primeira se localizava na Praça Antônio Prado. Ela tem como característica a arquitetura eclética do início do século XX. Possui mais de 100 anos de existência e sua fachada já é tombada sendo reconhecida como um Patrimônio histórico a ser cuidado e zelado por toda a sociedade. Sua presença no Largo do Paissandu representa um marco para a população preta, que lá se concentra para festejos, encontros e movimentos sociais. Em suas proximidade encontra-se a estátua da mãe preta sendo também uma referência para a comunidade negra.

Acesse a visita no LINK

Mãe Preta e a Religiosidade Negra em SP

Foto de divulgação: Prefeitura de São Paulo

O roteiro pretende apresentar a religiosidade negra em São Paulo, resgatando as histórias do sincretismo e da resistência negra a partir da fé e da comunhão. A estátua “Mãe Preta” e a Igreja Nossa Senhora do Rosário dos Homens Pretos no Largo do Paiçandu, representam parte da significativa memória do povo negro.

Ponto de Partida: Av. São João, 439 – República
Classificação Indicativa: 14 anos
Sábado, as 10h

Informações e inscrições por e-mail:
shirley.silverio@yahoo.com.br

Quilombo Resistência – As rotas e saberes da Africanidade

Foto de Divulgação: Jornada do Patrimônio

 presente roteiro busca trazer à tona espaços significativos à comunidade afrodescendente da cidade de São Paulo, realizando um panorama da representação e representatividade dos heróis e heroínas negras, em momentos à céu aberto. Para tanto, faremos uma caminhada por pontos próximos e de fácil acesso, que são importantes para a memória política e afetiva da comunidade, por serem lugares que marcam a resistência, luta e convívio do movimento negro.

O trajeto inicia no Instituto da Mulher Negra, em que pontuaremos a importância da expressão matriarcal que permeia a vivência africana e afro-brasileira; e então passaremos pelas estátuas de Luiz Gama, Mãe Preta e Zumbi dos Palmeres, para fomentar a discussão da imagem do negro na cidade.

isitaremos, também, a Igreja Nossa Senhora do Rosário dos Homens Pretos e encerrarmos a caminhada no Largo da Memória. Esse caminho propõe a discussão do conceito de Quilombo a partir do pensamento de pesquisadores como Abdias do Nascimento e pontuaremos a importância do dia da Consciência Negra como marco de resistência política desse grupo étnico-racial, a intenção do Quilombo Resistência- As rotas e saberes da africanidade é contemplar da melhor forma possível a diversidade identitária da comunidade, levantando debates sobre a criação de uma imagem de afirmação positiva do negro e porque é tão gritante a ausência de mais monumentos que celebrem os heróis e heroínas negros da história brasileira.

Ponto de Partida: Rua Santa Isabel, 137 – Vila Buarque
Classificação Indicativa: 14 anos
Sábado, as 15h

Informações e inscrições por e-mail:
anaamocuisherl@hotmail.com

SAMPA NEGRA: Do Rosário à Liberdade

Foto de Divulgação: Jornada do Patrimônio

A proposta deste roteiro é a de encontrar na Igreja Nossa Senhora dos Homens Pretos outro grupo e público desta proposta, simbolizando a união e luta das Irmandades Negras no Brasil e em São Paulo, Irmandades estas que durante o período colonial lutavam por liberdade e por dignidade diante da morte, encontrando na reunião de novos “”irmãos”” relações de pertencimento. O trajeto será realizado a pé, com duração de 1h30, da Igreja Nossa Senhora dos Homens Pretos, do Largo do Paissandu até a Capela dos Aflitos, no bairro da Liberdade, contando em alguns pontos a memória negra do centro da cidade de São Paulo; resgatadas nas histórias do cotidiano de trabalho, das festas, das rezas, dos caminhos traçados, dos batuques e de diversas lutas por direitos comuns – de antes e de agora.

Ponto de Partida: Igreja Nossa Senhora dos Homens Pretos
Classificação Indicativa: Livre
Sábado, as 11h

Informações e inscrições por e-mail:
sampanegra@gmail.com

Sob o signo do Oriente: Os Povos da Liberdade

Foto de Divulgação: Jornada do Patrimônio

Que o bairro da Liberdade é sinônimo de cultura oriental em São Paulo, todo mundo sabe. Mas você sabia que, muito antes dos japoneses (e chineses, e coreanos) chegarem à Liberdade, o bairro acolheu portugueses, italianos e outros imigrantes? Que suas ruas foram abertas sobre caminhos indígenas ancestrais? Que a região foi palco do suplício de escravos, mas também de ousadas ações abolicionistas? Neste Roteiro de Memória, vamos conhecer essas e outras histórias e desvendar a Liberdade que se esconde sob o signo do Oriente. Iniciaremos nossa caminhada no Largo da Pólvora que, abrigando uma bem cuidada praça com ares japoneses, já teve uso bem diverso, nos tempos coloniais. Ao longo do percurso, encontraremos sinais da presença dos diferentes povos que viveram na região e que deixaram suas marcas nas ruas e no seu patrimônio construído. Venha e traga sua câmera! Você vai se surpreender com os ângulos inusitados que a Liberdade tem a nos revelar.

Ponto de Partida: Largo da Pólvora
Classificação Indicativa: Livre
Sábado, as 9h

Informações e inscrições por e-mail:
analuaurelio@gmail.com

Territórios negros no centro de São Paulo e memórias da Irmandade do Rosário

Foto de Divulgação: Jornada do Patrimônio

O roteiro tem como proposta apresentar os territórios negros da cidade de São Paulo. A proposta se inicia na Praça Antônio Prado, tendo como ponto de encontro a estátua do Zumbi dos Palmares, como um marco de onde se localizava a primeira Igreja de Nossa Senhora do Rosário, no século XVIII, e se finaliza onde ela se localiza atualmente, no largo do Paissandu. O roteiro tem a finalidade de apresentar esse panorama urbano que se relaciona com a história de São Paulo e da própria Irmandade.

Ponto de Partida: Ponto de encontro estátua do Zumbi dos Palmares, como um marco de onde se localizava a primeira Igreja de Nossa Senhora do Rosário, no século XVIII, e se finaliza onde ela se localiza atualmente, no largo do Paissandu
Classificação Indicativa: 14 anos
Sábado, as 9h

Informações e inscrições por e-mail:
ma.danca.ensina@gmail.com

Sinopse das ações no LINK

Juliana Rangel

Read Previous

Jornada do Patrimônio: 13 Tours gratuitos no centro de (SP)

Read Next

50 Imóveis históricos de São Paulo para visitar online

Deixe uma resposta