Conheça a Cidade Submersa no Mar Mediterrâneo

De acordo com Heródoto, um geógrafo e historiador grego nascido no século V a.C, havia uma cidade extraordinariamente rica, visitada por Helena de Troia e Paris, chamada Heracleion. Cidade esta que, de acordo com antigos historiadores gregos, abrigava um templo em honra ao deus Hércules (para os gregos, filho de Zeus), já que foi onde ele pisou pela primeira vez ao chegar no Egito.

Abrigando o principal porto do Egito por quase um século, a cidade começou a afundar lentamente, até que suas construções caíram na água, ficando totalmente submersa por volta do século VIII.

Heracleion foi considera uma lenda por séculos. Por mais que existissem relatos a respeito em inscrições e textos da época, exploradores e arqueólogos contemporâneos jamais haviam encontrado sequer um mero vestígio que comprovasse a existência de tal cidade. Porém, nos anos 2000, o arqueólogo subaquático Franck Goddio e o Instituto Europeu de Arqueologia Marítima, redescobriram a cidade no Mediterrâneo, próximo a Alexandria.

A expedição trouxe novamente a superfície ruínas de templos, cacos de cerâmica, joias preciosas, moedas, lampiões a óleo, bustos, entre outros objetos que, aos poucos, desvendam os mistérios ocultados por cerca de 1200 anos.

Franck Goddio com uma estátua íntima de Thonis-Heracleion gravada a 1,90 m de altura, encomendada pelo Nectanebo I (378-362 aC) e quase idêntica à estela de Naukratis no Museu Egípcio no Cairo. 
Seu texto indica o local em que foi erguido: Thonis.
© Franck Goddio / Fundação Hilti, foto: Christoph Gerigk
Um arqueólogo que mede os pés e outros fragmentos de uma estátua colossal após uma limpeza preliminar no local em Thonis-Heracleion, na Baía de Aboukir.

© Fundação Franck Goddio / Hilti, foto: Christoph Gerigk
Franck Goddio e sua equipe assistem a uma superfície colossal de granito vermelho (5,4 m) representando o deus Hapy, símbolo de quantidade e fertilidade e deus do dilúvio do Nilo que fica em frente ao templo de Heracleion. 
Nunca antes de uma estátua de um deus desse tamanho foi descoberta no Egito, o que indica a importância de Hapy para o ramo Canopic, o maior e mais importante dos ramos do Nilo na época.

© Franck Goddio / Fundação Hilti, foto: Christoph Gerigk
Vista aérea do colossal tríade de granito vermelho de 5 metros de altura de um faraó, sua rainha e o deus Hapy, datado do século IV aC, que fica em frente ao grande templo de Heracleion. 
Eles são selecionados em uma barcaça de ponto junto com os 17 fragmentos de uma estela de granito vermelho com mais de 5 metros de altura do século II aC na remontagem; 
os trabalhadores no pontão disponíveis uma noção dos tamanhos desses objetos.

© Franck Goddio / Fundação Hilti, foto: Christoph Gerigk
Um dos melhores achados da Baía de Abukir é uma estátua de pedra escura notável de uma rainha rainha do século III, muito provavelmente Cleópatra II ou Cleópatra III, usando uma túnica deusa Ísis.

© Franck Goddio / Fundação Hilti, foto: Christoph Gerigk
Um frasco de ouro encontrado em Thonis-Heracleion. 
Os frascos eram pratos rasos usados ​​em todo o mundo helenístico para beber e servir bebidas alcoólicas.

© Franck Goddio / Fundação Hilti, foto: Christoph Gerigk

Visite o site: https://www.franckgoddio.org/projects/sunken-civilizations/heracleion.html

Read Previous

HQ conta a história da prostituição no Parque da Luz.

Read Next

A complexa natureza Humana através dos olhos de Jan Saudek

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado.