ArabicBengaliChinese (Simplified)EnglishFrenchHindiPortugueseRussianSpanishUrdu

A Cidade – O Museu com memórias de concreto, habitadas para pessoas.

Como diria o pesquisador Mario chagas “Museu é casa de mémoria e poder”. O local edificado já aborda inúmeros temas, mais abrangente que as demarcações do prédio há os limites da cidade que formam por sua vez um grande museu cheio de esculturas de concreto. Dentre essas peças com os seus mais variados estilos, a casa neocolonial.

O estilo arquitetônico neocolonial iniciou na década de XX com o objetivo de retratar a arquitetura nacional brasileira e luso-brasileira. Mas o protagonismo dessa matéria não se delimita ao estilo, e sim como o movimento arquitetônico é apresentado pelo Projeto Memórias que habitamos coordenado pela Professora Arq. Lilian Louise Fabre Santos.

Em meio a tantas páginas aparentemente não preocupadas com o leitor leigo, de forma democrática a iniciativa expõe a região serrana do sul do Brasil e sua arquitetura neocolonial. Onde são apresentadas não só as edificações do tal estilo, mas um elemento tão importante quanto, os moradores dessas edificações e suas memórias afetivas, sentimento esse que vive através do edificado neocolonial infelizmente não devidamente valorizado na Região Sul.

Além da Professora Arq. Lilian Louise Fabre Santos, a equipe conta também com a pesquisadora de campo Arq. Gésssica Coelho e as colaboradoras: Arq. Kássia Lima Zanchett, Bruna Chaves (UNIPLAC), Lia Cristina Moraes (UDESC), Maria Eduarda Costa (UDESC) e Tatiana Pacheco (UDESC), todas integrantes arquitetas ou estudantes de Arquitetura e Urbanismo naturais da região serrana catarinense. A aproximação da população como protagonista inicia a relação de pertencimento dos moradores com as edificações e seus entornos, uma forma simples e eficaz de garantir o zelo do estilo neocolonial para as próximas gerações.

O presente projeto propõe dar continuidade no projeto piloto “A arquitetura Neocolonial em Santa Catarina: do erudito ao popular” contemplado no Prêmio Elisabete Anderle de 2019.

Conheça as memorias desta iniciativa no link:https://www.instagram.com/memoriasquehabitamos/

Leticia Damazio de Jesus

Read Previous

A Grande Companhia de Mysterios e Novidades

Read Next

Mostra ‘35 Revoluções’ dos Irmãos Campana ganha tour virtual no MAM/RIO

Deixe uma resposta