Conhecendo o Museu Casa Guimarães Rosa – Parte 4 – Cordisburgo/MG

No ano de 2012 foi inaugurada a Nova Exposição Permanente do Museu conhecida como “Rosa dos Tempos, Rosa dos Ventos”, que teve como curador o Sr. Leonardo José Magalhães Gomes. Trata-se de evidenciar, por meio de uma nova exposição, a inserção do Museu numa região, que é entendida como cenário e ambiente de experiências vividas e recriadas na produção literária de Guimarães Rosa. À maneira de um portal, o Museu apresenta ao visitante as inúmeras possibilidades de se mergulhar na paisagem do cerrado e na cultura do sertão mineiro.

DEPÓSITO DA VENDA DO SEU FULÔ–SALA GABINETE DE GUIMARÃES ROSA

O cômodo que hojé é conhecido como Gabinete, era na época da infância do menino Joãozito o depósito da venda de Seu Fulô. Neste cômodo temos toda a produção literária de Guimarães Rosa que se divide em três fases:

1ª fase: é a dos livros grandes que são: Corpo de Baile – publicado em 1956 e que depois foi divido em 3 volumes: Manuelzão e Miguilim, No Urubuquaquá no Pinhém e Noites do Sertão e o livro Grande Sertão: Veredas, romance publicado em 1956.

2ª fase: nesta fase o escritor muda a forma de escrever, são livros com estórias menores que exigem maior compreensão. O escritor acaba dando sentindo a várias coisas ao mesmo tempo e em poucas palavras.  São editados os seguintes livros: Primeiras Estórias – publicado em 1962 e Terceiras Estórias – também chamado de Tutaméia que significa coisa pequena, publicado em 1967, ano de seu falecimento.

3ª fase: essa fase é composta pelas obras póstumas do escritor – publicadas por seus editores e familiares após seu falecimento. Esta fase é marcada pelas seguintes obras: Estas Estórias (1969), Ave Palavra (1970) e Magma – livro de poesias escritas em 1936 e publicadas em 1997. Aqui temos também obras com dedicatória de Guimarães Rosa aos seus pais e o livro Grande Sertão: Veredas, sua obra prima, em vários idiomas: alemão, holandês, dinamarquês, francês, catalão, espanhol e tcheco, além de outros livros em outras línguas.

Depósito da Venda do Seu Fulô – Sala Gabinete de Guimarães Rosa – Foto: Ronaldo Alves

Na parede da sala temos um estudo da capa do livro Grande Sertão: Veredas feita por Poty Lazarotto que foi um dos principais ilustradores de sua obra.

Estudo da capa da primeira edição do livro Grande Sertão: Veredas feita por Poty Lazzarotto – Foto: Ronaldo Alves

Todos os móveis e objetos que estão nesta sala pertenceram ao escritor. Estão em exposição: o diploma de membro efetivo da Academia Brasileira de Letras; o prêmio Paula Brito recebido em 1957 pela publicação do livro Grande Sertão:Veredas; a estatueta Laçador Gaúcho presente recebido por Rosa pela família do escritor João Hermes da Fontoura por ter sido seu sucessor na cadeira na ABL; carimbos, medalhas e condecorações como exemplo a medalha Cruz de Malta conferida a Rosa pelo governo Alemão por seus serviços prestados como Cônsul Adjunto do Brasil durante a Segunda Guerra Mundial.

Depósito da Venda do Seu Fulô – Sala Gabinete de Guimarães Rosa – Foto: Ronaldo Alves

Destacam-se também a espada que acompanhava o fardão da Academia Brasileira de Letras quando este tomou posse no dia 16/11/1967. Como é de costume, Guimarães Rosa foi sepultado com o fardão no dia 19 de novembro de 1967 no cemitério São João Batista na cidade do Rio de Janeiro e uma grande fotografia do escritor em seu escritório na cidade do Rio de Janeiro.

Depósito da Venda do Seu Fulô – Sala Gabinete de Guimarães Rosa – Foto: Ronaldo Alves

INFORMAÇOES:

Horário de Funcionamento:

De terça-feira a domingo das 09h30min às 17h

Museu Fechado:

No último domingo de cada mês, natal, réveillon e carnaval

CONTATOS:

Museu Casa Guimarães Rosa – Avenida Padre João, 744, Cordisburgo/MG – CEP: 35780-000

Tel: (31) 3058-1587 / E-mail: museuguimaraesrosa@secult.mg.gov.br

Instagram: instagram.com/museuguimaraesrosa

Facebook: facebook.com/museucasaguimaraesrosa.mg

Youtube: youtube.com/c/MuseuCasaGuimarãesRosa

Museu Casa Guimaraes Rosa

O Museu Casa Guimarães Rosa/MCGR, vinculado à (DIMUS) Diretoria de Museus da Secretaria de Estado de Cultura e Turismo de Minas Gerais, foi idealizado no contexto de dois acontecimentos: o falecimento repentino de João Guimarães Rosa em 19 novembro de 1967 e a criação no ano de 1971 do Instituto Estadual do Patrimônio Histórico e Artístico de Minas Gerais – IEPHA/MG. Inaugurado em 30 de março de 1974 na casa onde Guimarães Rosa nasceu e passou sua infância em Cordisburgo, o Museu foi concebido como centro de referência da vida e obra do escritor João Guimarães Rosa.

Read Previous

Museu de Artes Visuais Ruth Schneider vaga: Estágio Remunerado

Read Next

Verdade e Memória: Análise da construção do passado em 1984 de George Orwell

Deixe uma resposta