Conheça a Artista Erika Pedraza

A artista é nascida em Campo Grande, capital de Mato Grosso do Sul, Erika Pedraza se formou em Artes Visuais pela Universidade Federal de Mato Grosso do sul e há10 anos seus trabalhos transbordam através dos muros da periferia, prédios centrais e exposições regionais, nacionais e internacionais.

Nome da Obra: “Arrastada sim, sem identidade NÃO!” / SÉRIE – A CARNE / Técnica: A.S.T. / Ano: 2018




Mesclando entre mais diversas técnicas e estilos, dentre Caricatura, Pintura em Tela e Muralismo, em 2016 ao entrar no Coletivo De Mulheres Negras De MS – CM NEGRAS MS Raimunda L de Brito, a artista teve seu despertar de identidade e consciência, quando volta sua expressão para a militância e o protesto através da arte. 

NOME DA OBRA: QUEM MATOU MARIELLE? / TÉCNICA: A.S.T. /ANO: 2018


À Partir deste momento sua linha de pesquisa caminha para o empoderamento negro, para a identidade e responsabilidade social. Inicia-se uma fase de encontro com sua própria cultura.

NOME DA OBRA: ONDE ESTÁ AMARILDO? /TÉCNICA: A.S.T. / ANO: 2018


Suas obras recentes são as produções de valorização estética da mulher negra. A artista compreende a difícil realidade social enfrentada por essas mulheres.

NOME DA OBRA: FOI O BLINDADO MÃE / TÉCNICA: A.S.T. / ANO: 2018


Racismo, machismo, desigualdade econômica, violências que silenciam as subjetividades e desvalorizam as mulheres negras.

SÉRIE CASULOS

A intenção é resistir ao desprestígio promovido às produções artísticas negras, trazendo a valorização e reconhecimento da beleza negra através de suas obras. 

SÉRIE OJÁ

Em 2019 funda o Coletivo Enegrecer (Tendo em sua composição, somente artistas negros), e com mais 13 artistas realiza atividades culturais, palestras e exposições na cidade de Campo Grande e interior, atuando como principal Coletivo Negro de Arte na cidade.

SÉRIE OJÁ


Como nem todos encontram uma oportunidade para divulgar seus trabalhos, o Click Museus decidiu abrir um espaço para os artistas do Brasil, aqui no site e nas nossas redes sociais. Ficou interessado? Divulga a sua

Juliana Rangel

Read Previous

Museu de Arqueologia e Etnologia cria projetos interativos para ensino de história antiga

Read Next

MAM no Minecraft: uma exposição em cubos

Deixe uma resposta