ArabicBengaliChinese (Simplified)EnglishFrenchHindiPortugueseRussianSpanishUrdu

A história da cerâmica azul Holandesa

A cerâmica azul de Delft existe há 400 anos e tornou-se um símbolo da Holanda. Porém a sua origem não é holandesa, mas sim multinacional: 

desde fabricantes de porcelana chineses, passando por ceramistas do Oriente Médio, até por uma rainha britânica e seu designer de interiores francês.

Os ceramistas chineses em Jingdezhen, uma cidade na província interior de Jiangxi, desenvolveram a tecnologia para vender porcelana no século XIV.

Sua produção requeria temperaturas de 1.300 ° C, altas o suficiente para transformar a mistura de vidro em transparência, vítrea e fundi-la com o corpo de argila, o que fazia com que os desenhos ficassem presos entre as duas camadas.

A estética azul e branca que os holandeses mais tarde formariam, foi criada para atrair o mercado persa, que decorava sua própria cerâmica com desenhos em azul cobalto, mas não conseguia igualar a brancura da porcelana chinesa.

(Credito: Loan from Rijksmuseum)

Essas criações translúcidas, requintadas e padronizadas, começaram a aparecer nos armários de curiosidade pertencentes à elite da Europa no final do século XVI,

trazidos por comerciantes pelas estradas de Veneza. “Ninguém sabia o segredo da porcelana e é por isso que era tão fascinante”,

explica Suzanne Lambooy, curadora de uma exposição que destaca os melhores Delftware do Kunstmuseum, em Haia.

No entanto, o primeiro grande carregamento que chegou à Holanda não foi o resultado do comércio, mas da pirataria: em 1602

uma frota holandesa apreendeu o navio Saint Iago pertencente a seus rivais portugueses, no largo de Santa Helena.

O conteúdo foi leiloado em Middleburgh, no sul da Holanda, onde compradores de toda a Europa lutaram por uma peça.

“Eles ficaram fascinados com o esmalte brilhante, o corpo branco e os padrões e decorações desconhecidos que vieram de um mundo novo”, diz Lambooy.

“Era algo tão espetacularmente novo que se tornou uma moda instantânea.”

Credito: Scheltens and Abbenes

A popularidade da porcelana chinesa incentivou quase imediatamente os ceramistas de toda a Europa a tentar imitá-la.

Os mais bem-sucedidos desses imitadores foram, é claro, os de Delft; mas isso estava longe de ser um triunfo holandês exclusivo.

“A técnica de vidro estanho veio do Oriente Médio para a Espanha islâmica, através da ilha de Maiorca, de onde veio o nome majólica”, explica Lambooy.

“No século XVI, foi para Faenza, de onde vem a cerâmica de faiança, e depois para a França.” Muitos huguenotes (protestantes franceses)

fugiram para Antuérpia para escapar da perseguição, mas somente após a queda de Antuérpia, esses refugiados foram forçados a fugir para o norte.

“Oleiros com raízes italianas se mudaram para todos os lugares”, diz Lambooy, “embora não se saiba por que Delft explodiu para se tornar o centro”.

Mary Stuart, filha de Tiago II, casada com o príncipe holandês William de Orange, ficou extasiada com a porcelana chinesa e também comprou peças de louça para o palácio do casal,

mas itens menores, como vasos e pratos de flores. Uma vez que ela também era rainha da Inglaterra, Escócia e Irlanda, seu gosto se tornou muito mais luxuoso.

“Parece que Mary pensou: ‘quando eu tenho as melhores cerâmicas da Europa, fabricando com Delftware, tão perto de Haia, por que não decorar meus palácios com eles e pedir o que eu gosto diretamente?’”, Diz Lambooy .

A louça de Delft caiu em desuso no século 18, quando os ceramistas de Meissen descobriram o segredo da porcelana, e a técnica inglesa tornou-se a escolha para o uso diário.

No entanto, começou a voltar à popularidade no final do século XIX, quando a coleção de antiguidades viu o estilo holandês do século XVII muito em voga.

Curiosamente, essa pode ter sido a primeira vez que as peças forma vistas como um produto tipicamente holandês e não como uma imitação chinesa.

(Credito: Gerrit Schreurs)

veja também: Site disponibiliza cards de máscaras da Ópera Chinesa do inicio do século XX

Luciana Sodré

Read Previous

A fotografia de Henri Cartier- Bresson virou documentário

Read Next

Desacelere a quarentena com FILOSOFIA!

Deixe uma resposta