ArabicBengaliChinese (Simplified)EnglishFrenchHindiPortugueseRussianSpanishUrdu

04 obras modernistas para conhecer Tarsila do Amaral

Autorretrato de Tarsila do Amaral / Crédito da Imagem: Wikipéia

Tarsila do Amaral é uma das maiores pinturas brasileiras, nascida em Capivari, interior de São Paulo, suas obras são conhecidas mundialmente.

Seu estilo de pintura destaca a cultura nacional e reflete as caracteristicas importantes do país, como paisagens urbanos e rurais, costumes populares, animais e plantas.

Suas obras são diversificadas, sendo um dos elementos do movimento modernista ela foi uma figura importante na pintura brasileira.

Para saber mais sobre sua trajetoria selecionamos 04 de suas mais imporantes obras de arte.

Abaporu, 1928

Abaporu é provavelmente a pintura mais famosa de Tarsila. Esta tela foi criada em 1928 como um presente do seu marido e escritor Oswald de Andrade. Esta tela promoveu a sublimação da cultura nacional e muito representativa do período de canibalismo do pintor entre 1928 e 1930. Esta pintura atualmente faz parte da coleção do Museu de Arte Latino-Americana de Buenos Aires.

Operários, 1933

Influenciada pelo seu namorado Dr. Osório César, Tarsila pintou contagiada pela idelogia comunista.A foto mostra o período de industrialização de São Paulo. As características faciais dos trabalhadores são frequentemente sobrepostas e reduzidas, e o número de rostos que o pintor pode representar na imagem também é digno de nota. Os trabalhadores são talvez a tela social mais representativa pintada por Tarsila. Atualmente integra o acervo de Arte e Cultura do Palácio do Governo do Estado de São Paulo.

A Negra, 1923

A negra foi criada em 1923 e é um óleo sobre tela de 100×80 cm. Esta tela é revolucionária porque representa pela primeira vez uma mulher negra de forma proeminente. Durante o período da escravidão em nosso país, as escravas serviam como enfermeiras e babás para seus filhos. Embora na infância de Tarsila o Brasil não fosse mais escravizado, ela foi criada por mulheres negras (descendentes de ex-escravas) que viviam na fazenda e cuidavam dos filhos do patrão. Na tela, essa mulher tem uma forma inesperada: por exemplo, sua boca é grande, evidenciando sua origem étnica. A silhueta da personagem sem nome atraiu a atenção para seu corpo, principalmente um seio proeminente. Essa ênfase pode ser explicada se considerarmos que muitas vezes essas mulheres desempenham o papel de crianças que amamentam (os filhos delas mesmas e as famílias onde trabalham).

4. Antropofagia , 1929

A tela muito parecida com o Abaporu é a Antropofagia, criada apenas um ano depois de sua grande obra-prima. A motivação de Tarsila é pintar com cores fortes e elogiar a cultura nacional. Nesse momento, Tarsila quer enfatizar como nossa cultura brasileira é resultado da soma de múltiplas culturas. Vamos absorver essas culturas para criar algo único, o nosso. Em Antropofagia, vemos dois personagens desproporcionais com membros enormes e cabeças pequenas, assim como Abaporu na pintura. As duas telas são muito parecidas, mesmo com fundos semelhantes, com vegetação típica brasileira. À direita, no cacto, vemos o sol meio laranja. O ano em que pintou Antropofagia foi muito importante para a carreira de Tarsila, bom ou ruim. Em 1929, a pintora realiza sua primeira individual no Brasil, primeiro no Palace Hotel, no Rio de Janeiro, e depois em São Paulo.

Juliana Rangel

Read Previous

MASP e Studio3 Cia. de Dança apresentam ‘SAMBA’

Read Next

O recém-inaugurado Museu da Rádio Nacional

Deixe uma resposta